sábado, 20 de outubro de 2012

A Musa de Copacabana








Quando ela passa Copacabana inteira pára...

A caminho da sua academia no final de tarde...

Nossa turma do bar já sabe exato horário e trajeto...

Ela não é somente linda...

É espetacular...

Ela não anda, baila sobre nuvens sem exageros...

Ninguém faz algazarra, assovia ou faz gracejos...

Simplesmente contemplamos o perfeito espetáculo em reverência...

Só dá vontade de aplaudir...

Ela cruza a Barata Ribeiro, entra na Santa Clara até sua academia na Avenida Copacabana...

Jamais a vimos com namorado...

Jamais nenhum de nós descreveu detalhes desrespeitosos do que imaginamos que seríamos capaz entre goladas de chope...

Ela é um ser intocável e inatingível para uma cambada de feios sem vergonhas da nossa estirpe...

Daí...

Certa vez ela pegou meu táxi a caminho do trabalho no Centro do RJ...

Tomei um susto bom...

Ela é  simples, alegre, feliz e adora conversar até eu tomar coragem de confessar...

- Faço parte de uma turma que fica aguardando você passar no final de cada tarde...

- Como é?

Conto que ela possui fãs ocultos como meninos que namoram sem avisar a parceira...

Conto o local exato em que nos posicionamos para aguardá-la...

Ela morre de rir sem acreditar...

- Deixa comigo!

Só consigo entender o recado no dia seguinte...

Como de costume...

Ela passa...

E...

Olha direto pra mim e dá um piscadela...

A turma fica estática me olhando...

- Gaúcho, o que é isto?

Finjo:

- O quê? Não vi nada... Ela nem me olhou... Deve ter caído um cisco no olho dela...

Dia seguinte ela faz pior, me envia um beijo e passa direto...

- Pô, Gaúcho, você acertou na megasena e não nos contou, que raio é este?

Vira um confusão no boteco...

- Gaúcho, confessa  logo o que está acontecendo... Estou com ódio de você...

- Não sei de nada, só a conheço como vocês...

Durante uma semana inteira ela passa e todos ficam aguardando nova evolução que não ocorre...

Ficam mais olhando pra mim do que pra bela passando no mesmo horário...

Alguns pararam de falar comigo...

Outros tentam encontrar defeitos nela que não existem...

Certo dia ela resolveu radicalizar numa cena que me paralisou na frente de todos...

Descobri que além de linda não tem menor ideia do quanto pode distribuir felicidade...

Algo como aqueles constrangedores carros de som com declaração ao microfone, fogos, balões e platéia boquiaberta...

Não vou contar...

Foi determinante...

Decidi não mais frequentar botecos...

Na realidade até foi ótimo para eu ser excluído definitivamente  da fila do gargarejo...

Vez por outra nos encontramos ao sentir que algum dia nossos mundos possam desmoronar definitivamente...

Odeio somente  seu poodle a morder nossas cobertas até eu enfiá-lo a chorar ao lado da máquina de lavar..

Deixo mais um último bilhete dentro da sua  caixa de músicas...


Pluft!



Jorge Schweitzer








Um comentário:

  1. IH!!!!!!!!
    Arrasou sem tempo...
    Quer dizer, agora vai ter que arrumar tempo, antes que os mundos desmoronem definitivamente...

    Fica na paz...

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.