terça-feira, 22 de julho de 2014

Os Cavaleiros Templários de Joanna









Enquanto todos vagabundos desgraçados que mataram a menina Joanna não estiverem vestindo camiseta verde da Seap e cabeça  raspada não iremos parar...

Nunca!

Eles já tentaram e tentam de tudo, não adianta...

Enviam mensagens; ameaçam com processos; dizem que tomemos cuidado...

Impossível sentir qualquer medo de qualquer um deles...

Zero!

Não faz parte da nossa composição de sentimentos covardes a estratégia de recuar movidos por suas  bravatas inúteis...

Para eles isto é um  jogo continuado das suas  psicopatias exercitadas nas sombras encobertas  em mentes doentias para sepultarem o crime, para nós é questão de honra colocá-los atrás das grades...

Para mim não interessa mais o que eles dizem...

Retirei comentários do blog - e, em breve retornarei,  para surpresa que eles experimentarão o resultado -  e emails deles  são enviados para a lixeira pelos mecanismos de censura prévia que ferramentas nos proporcionam...

Certa vez um amigo que tem grande influência na mídia me enviou sobre o Caso Joanna:

- Schweitzer, não perca o foco; centre no meio da testa deles e continue, você está no caminho correto, não há como eles escaparem de você; a gente vai te apoiar sempre...

Noutra vez - após eu tentar achar  o serventuário barnabé de nível médio judicial André Rodrigues Marins e ele correr em disparada no Concurso para Magistrado do TJRJ - um parceiro, que atende pela primeira e terceira letra do alfabeto, pediu que eu parasse; que minha presença é mais relevante se eu não fizer besteira; que o desfecho do Caso Joanna pelas vias judiciais será exemplar para abortar tragédias similares e,  até exagerou,  que mais gente necessita da minha presença...

Recebo sempre muitos recados sobre o  Caso Joanna...

Ontem, uma moça disse que somente eu lembro da tragédia da menina e  ainda cobra Justiça...

- Não é verdade, amiga!

Possuímos  uma rede do bem que rastreia diariamente o Caso Joanna nos bastidores;  que acompanha cada movimentação da Justiça;  que persegue todos os rastros dos assassinos para que eles não escapem impunes...

Temos muitos pares de olhos em todos cantos  possíveis por anda circula cada bandido que participou ou tentou encobrir o crime contra a menina Joanna Marcenal...

Hoje, recebi email de uma senhora indagando se o delinquente poderio conivente  de um único político decadente e falastrão é possível encobrir uma monstruosidade como o Caso Joanna Marcenal...

- Não será, senhora, juro que não será!

Eles contavam com tudo a favor, menos com a possibilidade quase improvável que todos nós surgiríamos do nada  em seus caminhos...

Somos 8.905 até o momento assinando um Abaixo Assinado de Joanna Marcenal  fincando o dedo na ferida da alma maldita  desses  ordinários...

Somos os cavaleiros templários de Joanna...

Não como adjetivo de fantoches levados por ideais desnecessários...

Questão de Honra!

Como nossa única missão...

Somos o que for necessário ser...

O sacrifício de Joanna será vingado na forma da Lei...

André Rodrigues Marins e Vanessa Maia Furtado padecerão a cadeia correta até o final das suas penas...

E,  a cada nova manhã do sol quadrado emoldurado pelas  grades agradecerão pela rebelião do dia seguinte que não veio...

Nós, não!





Jorge Schweitzer








Vou abandonar a Internet Dependência e escrever um livro e lançar como uma garrafa de náufrago






Tem um conhecido que diz que pode ficar sem namorada mas não sem internet...

Nem sei se é só exagero...

A internet vicia mesmo...

Ferramentas como o féretro Orkut, Facebook, Twitter, Instagram e WhatZap criam dependência inegável...

Mas, já tive conhecimento de um sujeito que perdeu o emprego em razão da Secound Life...

E, num Reveillon uma senhora me contou que estava louca para voltar logo pra casa em razão da sua plantação e criação na Fazendinha...

Parece até piada, mas todos vocês já devem ter conhecimento de algo parecido...

Quando começaram a aparecer terapeutas para curar pessoas da Internet...

Isto me amendrontava...

E...

O mundo do conhecimento e entretenimento da Internet é um território inesgotável onde o acesso nos proporciona acesso fácil e rápido impossível até quinze anos atrás...

Em minutos chegamos à informações que levaríamos décadas enfurnados em bibliotecas pesquisando de forma enfadonha um único tópico...

Aos poucos descobri que todos viciados em redes sociais se enfaram rapidamente mas nunca do Google ou do YouTube...

Redes sociais são passageiras ondas enquanto o Google é definitivo e indispensável...

O modismo da comunicação criando grupos de pessoas que se intitulam 'amigos' enjoa rápido após trombarmos com uma multidão de chatos compulsivos e renitentes...

O que se denomina como social sem a presença de alguém na sua frente é um delírio com prazo de validade vencido...

Já experimentei todas redes sociais e abandonei para ver se sentia falta...

Senti, por alguns dias, feito abstinência...

Depois acostuma e dá uma sensação boa da falta da dependência...

Dia destes o Tico Santa Cruz, do Detonautas, confessou num programa de TV que perdia noites de sono postando na Internet e que agora está curado...

Engraçado, nunca perdi noites de sono postando mas já adentrei madrugada conversando pelo Facebook com algumas moças que me pareciam interessantes...

No dia seguinte aconselhava que me telefonassem quando sentissem vontade e sumia...

Redes sociais me trouxeram mais aborrecimentos reais do que oportunidade única  de conhecer alguém bacana de verdade...

A Internet nos desenha como seres perfeitos que não seremos jamais e isto desenvolve um fascínio alheio profundamente desnecessário em quem cria esta fantasia dispensável ...

Até entendo esta curiosidade em alguém querer me conhecer...

Meu telefone é público e sem restrições; qualquer um pode ligar se sentir vontade...

Porém, é uma via de mão dupla,  me sinto igualmente confortável a desligar caso não me interesse interagir...

Agora, por horas experimento saber a influência da Internet na minha vida e deixo de postar...

Juro, que não sinto falta alguma...

Até que aparece alguém pedindo socorro para eu ampliar algum descaso da grande mídia...

Na maioria das vezes que deixei de postar um, dois ou três dias; imediatamente alguém faz contato tal  SOS no meio do nevoeiro no mar da desesperança...

Daí, não há como frustrar que acredita que possamos ser canal de expansão de algum grito de alerta...

Algumas vezes conseguimos ampliar com tanta contundência que chega nos amedrontar o poderio do eco da Internet utilizada de forma responsável...

Lógico, preferia ter um blog somente de crônicas de esperança...

Impossível...

Em razão disto...

Em contraponto ao blog interpelativo...

Estou escrevendo um livro apenas de boas novas...

Já tive uma experiência anterior onde a maior editora daqui aprovou o projeto mas não foi em frente depois que caiu na mesa da diretoria da empresa...

Nem sei a razão, nem importa...

Vou procurá-los novamente com novos alfarrábios mais caprichados...

Ou vender livro um a um na Internet...

Feito um mascate cibernético...

Espero que vocês  comprem...

Se ocorrer um milhão desses mais de cinco milhões de acesso por aqui me torno um Paulo Coelho sem o Raul Seixas plagiando a Pequeno Príncipe e o Khalil Gibran...

Eu ia fazer piadinha maldita com Pau no Coelho, melhor não...

Vai que ele resolve abençoar com sua mão alquimista sobre minhas páginas?!

 Aguardem!

Acho que agora sai...

Se eu vender apenas para 10% dos que me acessam viro best-seller...

Acredito que até meus inimigos irão querer comprar só prá dizer que é ruim...

Sem, problemas, se pagarem...

Envio com autógrafo e tudo...




Jorge Schweitzer








Prefeitura do RJ não sinaliza corretamente vaga do idoso e reboca carros na Rua do Matoso esquina Dr. Satamini RJ






Lembram, do vídeo acima alertando que seria uma armadilha para carros desavisados serem rebocados?

Não deu olha...

Diariamente o reboque que sai do depósito ali perto do Sambódromo e vem direto prá cá e recolhe sempre dois carros estacionados debaixo desta placa...

E, como a Prefeitura não se prontificou marcar no chão avisando sobre a proibição, sabem o que eu fiz?

Eu mesmo, escrevi em letras garrafais  em vermelho no asfalto: 'Vaga de Idoso (2) - Cuidado: Reboque"...

Quem tiver curiosidade de ver minha obra, entre no Google Maps que dá para ver meu letreiro; já que certamente ninguém mais vai se arriscar estacionar no local que não idosos que até desconhecem ou não querem o privilégio...

Acho o seguinte, se o Poder Público se mostra inoperante a gente vai lá e mostra como se faz...

Aguardem, minhas próximas ações...



Jorge Schweitzer







segunda-feira, 21 de julho de 2014

Abaixo Assinado Joanna Marcenal: 8.905 pessoas já assinaram











A morte de Joanna Marcenal aniquilou todos familiares maternos da menina enquanto os bandidos paternos permanecem imponentes, livres e confiantes em tocarem suas vidas sem nenhum sentimento de culpa…

Só que...

Joanna ainda não se foi…

Joanna jamais irá embora…

Não permitiremos…

Tudo que for necessário ser feito para resgatar Justiça e a memória desta menina será feito, tenham certeza...

Se a intenção dos assassinos André Marins e Vanessa Maia Furtado foi vingança com requintes cruéis póstumos posso testemunhar que eles conseguiram…

Só não contavam que Joanna Cardoso Marcenal sobreviveria integralmente com tamanha força física incontrolável que disponibilizaria pessoas desconhecidas desprovidas de medo a se indignarem com a covardia…

Em seus planos de execução do crime perfeito André Rodrigues Marins e Vanessa Maia Furtado esqueceram de incluir o desencadear da corrente de solidariedade a memória de Joanna como uma causa…

Joanna Cardoso Marcenal ganhou um família numerosa de anônimos adotados que impedem que sua passagem tenha sido em vão…

Não há como os assassinos nos ignorarem mais…

Não temos medo deles, armazenamos humana repulsa involuntária por covardes…

Não adianta processar um só, ou dois…

Aparecerão outros mais voluntariosos e com maior poder de voz…

Vários…

Uma multidão sufocante…

Dentro em breve descobrirão…

Será tarde…

Metade estará na cadeia…

O restante…

Sem nenhum cargo penduricalho com suas biografias rasgadas e utilizadas como papel higiênico em latrina decadente…

Eles não tem a menor idéia de onde se meteram…

Os netos, bisnetos e tataranetos dos Marins e do meu censor poderão contemplar a perpetuação no wikipédia de seus famigerados antecessores como seres execráveis e deformados morais de uma espécie repugnante que preferirão trocar de sobrenome…

Na realidade, nem precisa ir tão longe…

Hoje mesmo, basta abrir o wikipédia e procurar o Caso Joanna…

Todos bandidos estão lá…

Todos…

Para sempre…

Só conseguem cargos públicos através de parcerias impublicáveis…

Nenhum jamais conseguirá abrir sequer emprego de atendente na Citycol, na Pacheco, na Casa Bahia, na Leader Magazine ou na Di Santini depois do RH providenciar pesquisa mínima…

Acabaram-se socialmente…

Viraram pó...

Na Índia sequer serviriam para catar excremento alheio ou tocar na sombra de qualquer um de nós...

Se transformaram em autômatos sem rumo aguardando suas penas...
 
Que em breve virá!





Jorge Schweitzer






















Dj Theo Back, 24 anos e filho do cineasta Sylvio Black, é encontrado morto em Itaipava RJ




O Dia

Rio - O corpo de DJ Theo Back, que morreu no último sábado, em Itaipava, na Região Serrana, será cremado nesta segunda-feira, às 18h, no Memorial do Carmo, no Caju. 

Filho do cineasta Sylvio Back, Theo, de 24 anos, foi encontrado já sem vida num banheiro de uma casa, ao lado da namorada Camila Almeida, que estava desacordada e foi encaminhada para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Cascatinha, em Petrópolis.

Policiais da 106ªDP (Itaipava), seguem investigando a morte do DJ. 

Eles aguardam a recuperação da namorada da vítima para que ela possa prestar depoimento, além do caseiro. 

A suspeita dos bombeiros é de que houve vazamento de gás no imóvel.

domingo, 20 de julho de 2014

Edelvânia Wirganovicz: vídeo do depoimento da assistente social confessando detalhes da morte do menino Bernardo Boldrini


















VÍDEOS: assistente social confessa envolvimento e conta detalhes sobre morte de Bernardo
ZH teve acesso à gravação do depoimento de Edelvânia Wirganovicz à polícia, em 14 de abril

por Adriana Irion



Zero Hora teve acesso à gravação em vídeo do depoimento que desvendou a morte de Bernardo Uglione Boldrini, 11 anos, ocorrida em 4 de abril, em Frederico Westphalen.

Na noite de 14 de abril, por cerca de 58 minutos, a assistente social Edelvânia Wirganovicz repetiu para a polícia, desta vez formalizando o depoimento, os detalhes que horas antes haviam levado os policiais até a cova em que o corpo nu do menino estava enterrado.


Em Frederico Westphalen, informalmente, Edelvânia havia confessado participação no crime, dizendo ter recebido dinheiro da madrasta de Bernardo, Graciele Ugulini, para ajudar a enterrá-lo. Conduziu os policiais até o buraco. Levada para Três Passos, prestou depoimento para a delegada regional Cristiane de Moura e Silva. No mesmo prédio, já estavam presos Graciele e o pai do menino, o médico Leandro Boldrini.

Mascando chiclete, contou, por exemplo, sobre o produto comprado para "dissolver rápido a pele" do menino e não "dar cheiro". Por duas vezes tomou água. Em alguns trechos da fala, pareceu quase sorrir ao buscar na memória algum detalhe questionado pela delegada. Explicou pausadamente o que disse à amiga Graciele quando soube do plano para matar Bernardo: "Eu disse 'pensa bem no que tu vai fazer, olha o risco, né, pensa bem para ser bem feitinho'".


Também descreveu a forma como o menino foi colocado no buraco e o que foi jogado sobre ele.

Em dois momentos foi contundente ao negar o envolvimento de qualquer outra pessoa no crime. Questionada sobre se o pai de Bernardo tinha conhecimento do que Graciele fez, Edelvânia afirmou que não, que ele não sabia. Ao final do depoimento, reforçou para a delegada a informação de que não havia outros envolvidos a não ser ela e Graciele.

Aliás, em mais de um momento ela se interessou em saber se a madrasta havia confessado e se havia jogado a culpa sobre ela. Cinquenta minutos depois de começar a falar, chorou rapidamente. Limpou as lágrimas e seguiu colaborando com a escrivã que se preparava para começar a leitura do depoimento para ela.

Pouco depois, outra mulher que estava na sala perguntou o porquê de ela não ter contado nada antes. Edelvânia chorou novamente e esfregou a barriga. A delegada, então, pediu o contato de alguém da família que pudesse ser avisado sobre a prisão dela.

Leitura do depoimento se deu aos gritos de "justiça"

A validade da confissão de Edelvânia foi muito questionada pelo defensor dela pelo fato de ter sido feita sem a presença de um advogado. A polícia garantiu que ela foi avisada dos direitos constitucionais de ficar calada e de só falar em juízo. De fato, em pelo menos dois momentos, isso foi repetido para Edelvânia na delegacia, durante a gravação.

A leitura do depoimento começa pouco depois de uma hora do início da fala, e a assistente social vai acrescentando mais informações. Aos 71 minutos, a gravação captou gritos oriundo da rua, de pessoas que se aglomeravam na frente da delegacia regional de Três Passos:

— Justiça, assassinos, justiça!

Um médico entra na sala para o exame de lesão corporal,uma praxe que antecede a ida de suspeitos para presídios depois de prestar depoimento à polícia. Ela levanta a blusa, ele examina os pulsos e o pescoço.

Mais uma vez, podem ser ouvidos gritos, mais nítidos. Edelvânia escuta cabisbaixa. É consolada por quem está na sala, que diz que a saída dela será mais tranquila, já que as pessoas não sabem que está ali. O alvoroço na rua seria por conta da presença do pai do menino e da madrasta, suspeitos de ligação com a morte.

Uma hora e 17 minutos depois de a gravação começar, Edelvânia retira o chiclete da boca. Segue a tentativa de leitura do depoimento, interrompida pelo som de telefones celulares tocando e pelo ingresso de pessoas na sala. A gravação é encerrada. Em seguida, um terceiro momento do vídeo começa — a primeira parte, de menos de cinco minutos, captou as informações sobre a qualificação da suspeita, quando ela diz que seu apelido é "Edi" e que tem um anjo tatuado nas costas.

A segunda parte da gravação é o depoimento em si, e a terceira foi a revisão, com leitura e acréscimo de informações. Foi nesta finalização que Edelvânia lembrou de mais um detalhe: que a madrasta lhe contara que havia tentado matar Bernardo o sufocando com um travesseiro. O fato é registrado e, 33 minutos depois, a leitura é concluída.

Edelvânia, Graciele e Boldrini seguem presos desde 14 de abril. Um irmão da assistente social, Evandro Wirganovicz também foi preso e denunciado por suspeita de ter ajudado a cavar o buraco em que Bernardo foi enterrado. Em depoimento à polícia, Graciele admitiu ter matado Bernardo, mas alegou ter sido por acidente, por excesso de calmantes. Boldrini sempre negou qualquer participação no crime.





PS: A frieza desta sujeita é algo que foge a qualquer compreensão, parece que ela está narrando algo que não envolve assassinato brutal e covarde cometido por ela e pela outra contra uma criança... Repugnante, tomara que elas encontrem pessoas com as mesmas tendências na cadeia... Agora, a delegada comprova que aprendeu com aplicação as técnicas de interrogatório levando a conversa de maneira absolutamente informal que coloca sempre o suspeito completamente a vontade para vomitar toda a sequência... JS




Fotos: Felipe Massa capota ao tentar ultrapassagem no GP da Alemanha








Tiago Portelinha, morador do São Carlos, é encontrado morto no Rio Comprido RJ





Constança Rezende

Rio - Um jovem de 24 anos, morador do Morro de São Carlos, na Zona Norte do Rio, foi encontrado morto por volta das 6h deste domingo na Rua Visconde de Jequitinhonha, no Rio Comprido, após desaparecer de uma festa no Morro dos Prazeres, em Santa Teresa.

De acordo com moradores, Tiago Portelinha, pai de quatro filhos, teria sido retirado a força da festa, por volta das 2h, por um homem identificado como Charles, que seria filho do antigo chefe do tráfico do Morro da Mineira, e foi colocado dentro de um carro Renault Duster preto. Além de Charles, mais três pessoas estavam dentro do veículo. Moradores relataram ainda que chegaram a perseguir o veículo, mas foram atacados por tiros.

Segundo informações, por volta das 3h30 foram escutados disparos e fogos em uma rua próxima do local onde o corpo foi encontrado. Logo em seguida, um carro Ecosport branco e uma moto buscaram as pessoas envolvidas.


A mãe de Tiago, Edinelsa Portelinha, teria então pedido ajuda aos policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) de São Carlos, mas de acordo com os moradores eles negaram. A polícia informou que os disparos ocorrem de dentro para fora do veículo e que o rapaz possuía cinco tiros, porém sem marcas de torturas. De acordo com a polícia, o carro Renault Duster é roubado. Moradores disseram que o crime teria sido ocasionado por inveja.




Sílvio César de Lucena, advogado de 47 anos, é encontrado morto dentro de cela da 32ª DP (Taquara) RJ



De acordo com a Polícia Civil, uma sindicância foi instaurada para investigar a morte

O DIA

Rio - Um homem foi encontrado morto, no início da manhã deste sábado, dentro de um cela da 32ª DP (Taquara). De acordo com a Polícia Civil, uma sindicância foi instaurada pelo delegado titular da unidade para investigar a morte. Sílvio César de Lucena, de 47 anos, se envolveu em um acidente de carro durante a madrugada. Apresentando sinais de embriaguez, desacatou policiais militares e foi levado para a delegacia.

Segundo a PM, policiais da Unidade de Polícia Pacificadora da Cidade de Deus realizavam uma blitz nas esquinas da estrada do Gabinal com Jacarepaguá, na Freguesia, quando o veículo de Sílvio apareceu pela contramão e bateu contra uma mureta. Ele se recusou a sair do veículo e xingou os PMs.

Ele foi submetido a exame de alcoolemia, onde foi constatado que ele estava embriagado. Ainda de acordo com a PM, quando chegaram a 32ª DP, Sílvio tentou agredir um policial civil e foi posto em uma cela de custódia.

Após os policiais envolvidos na ocorrência serem ouvidos, os agentes foram até a cela para buscar Silvio para que prestasse depoimento. Ele foi encontrado desacordado. O SAMU foi acionado, mas Silvio já estava morto.

Os PMs informaram que Silvio foi encontrado com a própria camisa enrolada no pescoço e acreditam que ele tenha se matado. A Polícia Civil alegou que foi realizada perícia de local e todos os policiais e atendentes de plantão foram ouvidos.



PS: Peraí, na boa, ele mesmo enrolou a própria camisa no pescoço e puxou com ambas as mãos até morrer?  Difícil de acreditar... JS


O Menino e a Lancha Toropi









Muito antes de Porto Alegre, Viamão foi a primeira capital do Rio Grande do Sul...

Reza a lenda que o nome Viamão se deu em razão  que do alto da torre da igreja matriz da cidade é possível avistar ao muito longe os cinco  rios, todos com nome indígena e  em formato de mão: Taquari, Guaíba, Gravataí, Caí e Jacuí...

Dia desses uma moça apanhou meu táxi e contou que retornava de Viamão onde ocorre frequentemente um encontro de budistas...

Ficou fascinada com esta versão sobre Viamão que ela acreditava apenas um povoado oculto perdido longe de tudo...

Tempo destes um morador de Viamão e leitor do blog me escreveu e afirma que subiu na tal torre e não dá para ter uma panorâmica tão ampla dos tais cinco dedos do Jacui como eu narrei...

Não importa, sendo ou não verdadeira a estória,  o romantismo novelesco com tantos indicativos de veracidade já vale a versão fantasiosa...

Conheci todos afluentes do lado de dentro, olhando para as margens...

Quando menino, com  menos de oito anos de idade,  meu pai me levava para ficar embarcado na Lancha Toropi em que ele trabalhava junto com outros quatro tripulantes por períodos de mês inteiro navegando...

A Lancha Toropi fez parte de todos meus desenhos de infância...

A Toropi era um rebocador  do Deprec (Departamento Estadual  de Portos Rios e Canais) que puxava navios e chatas em direção ao canal de navegação para não encalharem...

Para mim era incompreensível uma lancha pequena puxando um monstro milhares de vezes maior na minha imaginação de criança...

Nos meus rabiscos a Toropi vinha minúscula e os navios descomunais, na mesma proporção das minhas fábulas...

Por vezes eu desenhava os prédios altos de Porto Alegre vistos de dentro do Guaíba, ainda sem o muro da Mauá...

Lembro que certo dia todos foram almoçar e me deixaram no timão, sentado em um banco muito alto...

Mandavam que eu mirasse olhar sempre numa gaivota de bronze que ficava no bico da embarcação e entrei em pânico ao ver se aproximar a ponte do Guaíba, próximo ao bairro Navegantes e Quarto Distrito e nenhum deles vir me acudir apesar dos meus berros por socorro que de nada adiantaram, passei por ali incólume...

Meu pai me tranquilizou:

- Você fez a coisa certa, era só manter o prumo; eu estava te olhando lá do convés...

No final do dia ancorávamos no A3 onde ficavam também as embarcações dos bombeiros...

Meu tio Edemar, meu padrinho de batismo, fazia as manobras de atracagem e quando estávamos a muitos metros do cais, meu pai rodava a corda em laço sobre a cabeça tal um boiadeiro e acertava em cheio umas bolas de ferro em formato de cabeça humana fincadas na calçada ao lado das escadarias que a água cobria...

Ao anoitecer eu tomava banho de balde arremessado ao rio e puxado por uma corda até o convés...

Aquilo era um festa diária...

O cardápio da janta era variado mas lembro mais de carreteiro com ovo frito sobre que a gema eu partia para misturar o colorido com farinha de mandioca...

Eu ainda conseguia escutar uma galena da barca com fones imensos e incomuns para a época...

Dormíamos na parte de baixo onde ficavam os alojamentos com várias camas, a cozinha separada e na parte de cima ficavam a cabine de comando e o convés com muitas cordas, correntes e roldanas imensas...

A casa de máquinas ficava na parte mais baixa, com uma barulheira que ninguém conseguia escutar o que outro dizia...

Até hoje lembro do cheiro exato de óleo diesel que relembro exato quando passo ao lado de geradores a diesel...

Antes de dormir todos bebericavam cachaça devagar, meu pai tomava dois copos de vinho...

Curioso que minha mãe sempre me perguntava se meu pai bebia quando estava a bordo e eu sempre negava...

Eu jurava que jamais vi alguém beber na Toropi e isto relembrado por todos eles me garantindo próximas viagens...

E...

Quando amanhecia minha visão era do paraíso...

No convés todos bebiam chimarrão escutando o programa Teixeirinha canta para o Brasil junto com Mary Terezinha na rádio Farroupilha...

Pequenos hidroaviões amerrissavam e pousavam no Guaíba, como nas revistas do Tarzan...

Os bombeiros dos garbosos barcos vermelhos ao lado subiam no mais alto das embarcações e se exibiam mergulhando de ponta cabeça no Guaíba disputando um com outro ultrapassarem suas resistências...

Meu padrinho Edemar já era meio barrigudo porém um nadador imbatível...

Para meu orgulho, ele se jogava na água e desaparecia...

Eu contava: um, dois, três, quatro... Cinquenta, cinquenta e um...

E nada do meu tio reaparecer...

Nenhum dos outros a bordo se preocupavam...

De repente, eu parava de contar já preocupado e ele reaparecia lá longe; muito além de onde qualquer bombeiro conseguia chegar sem respirar...

Os bombeiros o aplaudiam se rendendo ao meu herói imbatível...

Eu tinha curiosidade do que o Tio Edemar ficava fazendo tanto tempo embaixo do nada, até que ele resolveu me trazer todas  porcaria que encontrava no fundo do rio: chaves, ferramentas e uma tesoura novinha de inox do tempo em que a corrosão não trucidava metais de boa qualidade...

Na tripulação também tinha outro tio meu que se tornou meu padrinho de crisma...

Fui crismado na Catedral de Porto Alegre pelo Dom Vicente Scherer, o mesmo que tentou impedir  Brizola colocar uma metralhadora ponto cinquenta na torre da Igreja Matriz localizada em frente ao Palácio Piratini...

Até hoje ainda sou capaz de desenhar a Lancha Toropi com todos seus compartimentos e a bandeira no mastro lá acima...

Só não me convidem para algum cruzeiro...

Gastei toda minha vontade de ficar embarcado na infância...

Chega!




Jorge Schweitzer






PS: Após escrever esta crônica de recordações encontrei a Lancha Toropi sendo leiloada  como sucata em 2009 pela Superintendência de Portos e Hidrovias do RS (http://www.sph.rs.gov.br/sph_2006/content/leiloes/leiloes_detalhe.php?leilaoid=2)... Se alguém tiver foto do que sobrou da Toropi, por favor, me enviem... Estou mandando este texto para SPH do RS, vamos ver se eles possuem a foto do Leilão... Quem sabe?!




sábado, 19 de julho de 2014

Charge on Line





Seu Jorge Sumiu!







Gosto de cachorros, de preferência algum fiel vira-latas...

Impossível ter algum por enquanto...

Se algum dia conseguir me aposentar vou tratar de criar um desde filhote...

Daí, certo dia, apareceu um  gato preto todo machucado e esquelético na minha rua...

Me contaram que adolescentes sádicos o utilizavam como saco de pancadas depois que foi abandonado por sua antiga dona idosa que se mudou...

Nunca havia ouvido falar que idosos abandonam seus animais de estimação...

Seu miado era quase um fiapo e apesar de não deixar eu tocá-lo passou a me acompanhar feito uma sombra...

Me escalou para adoção...

Passei a tratá-lo com aquele whiskas-filhotes...

Quem já teve gatos conhece aquele envelope whiskas de carne, frango ou salmão que ao abrí-lo tem aroma que dá vontade de experimentar...

No início eu chegava a dar quatro ou cinco envelopes destes de 85 gramas cada...

Em pouco tempo ficou fortão e suas feridas ele mesmo foi lambendo até sumir...

Todo preto, passei a chamá-lo de Seu Jorge...

Seu Jorge passou a conhecer meus horários de chegar em casa e fica miando enquanto os vizinhos zoam da precisão cronométrica do bicho...

Daí, há cerca de três meses o Seu Jorge sumiu inexplicavelmente...

Voltou um mês depois todo magro e miando baixo, porém sem machucados...

Como antes, senta na minha porta e fica me observando ao computador entre dentadas no whiskas e goladas de água  que só bebe se for gelada e limpa, do dia anterior nem pensar...

Em quase um ano de convivência arredia jamais consegui tocar no Seu Jorge, quando eu levanto para colocar mais comida ele sai em disparada...

Comendo fica a cerca de meio metro sempre olhando meu pé que ao se movimentar ele sai fora...

Acredito que já foi chutado muito e tem medo de pés...

Ele come e vai embora, não tenho a menor idéia de onde passa o resto do dia...

Mas, gosta de ver televisão embora jamais tenha ultrapassado o portal da minha casa mesmo em dia de chuvas lá fora...

Fica só na espreita, se lambe, come, bebe água gelada e zarpa fora...

Faz uma semana, Seu Jorge desapareceu novamente...

Meu filho disse que gatos somem quando encontram gata no cio...

Deve ser...

Coisa de Seu Jorge  mesmo que fica enlouquecido correndo atrás de um rabo de alguma gata difícil...

Esse é Jorge  dos bons...

Se não aparecer mais?


Problema dele, a Whiskas está perdendo um consumidor compulsivo...
Mas...

Deve reaparecer em breve...

Tomara que não tenha sido atropelado ou envenenado...

Mas, é bacana quando sumimos e sempre haverá alguém de braços abertos aguardando a volta sem cobrar explicações até porque não estabelecemos a mesma articulada linguagem que não de  sinais...

Melhor que cachorros e gatos não possuem percepção de cronologia de tempo;  para eles tanto dois minutos quanto cinquenta horas não se diferenciam e saudades são iguais...

Se você for na esquina comprar pão, seu animal te recebe de volta com tanta festa como se retornasse de longa viagem de férias..

Agora, não gosto muito desta coisa que 'quanto mais convivo com humanos mais gosto de animais' como apregoava o Dr. Albert Schweitzer...

Animal é animal,  gente é gente...

Tem gente de boa índole, que são adestrados para isto...

Outros, não!

Animais igualmente...

Só isto...




Jorge Schweitzer



Fotos: Avião da Malaysia Airlines é derrubado na Ucrânia com 295 pessoas a bordo, 80 eram crianças





Rafael Mascarenhas, filho de Cissa Guimarães, morto por atropelamento há quatro anos no Túnel Acústico que agora tem seu nome








Quando Rafael Bussamra entrou no Túnel Acústico interrompido  -  com placas avisando da manutenção - dirigindo seu carro em alta velocidade assumiu risco de passar por cima de tudo que estivesse em sua frente, sejam funcionários em obra ou qualquer skatista que costumam descer em direção a Praça Sibélius nestes dias de bloqueio por ali...

Na verdade, Rafael Bussamra assumiu risco de matar...

Não sei se verdade mas, na época, noticiou-se que  veículo que atropelou o Rafael Mascarenhas, filho da Cissa Guimarães, possuia embreagem com  pedal alto adaptado para pegas...

O que acorreu após foi tentativa de maquiar a cena livrando o atropelador após ser abordado por PMs já na esquina da Rua Visconde Albuquerque no Leblon...

Imagens de câmeras das imediações flagraram o veículo amassado pelo impacto contra o corpo de Rafael Mascarenhas e sem a placa dianteira que foi recolhida por um catador de latinhas  e se tornou a principal prova do ato irresponsável e criminoso...

No dia seguinte o pai do atropelador , Roberto Bussamra, se encontrou com os PMs que deveriam ter detido Rafael Bussamra na hora ao invés de liberá-lo para negociação posterior...

O achaque só não se consumou em razão que Roberto Bussamra recebeu telefonema - minutos antes do acerto - informando que de nada adiantaria pagar propina pois a vítima era filho da Cissa Guimarães e a mídia daria ampla repercussão...

Pai proteger filho é perfeitamente compreensível, acobertar um crime é indecente...
Se passaram quatro anos desta tragédia e só agora a Justiça mostra sua presença...
O juiz Murilo Kieling comanda o desfecho da Lei...


Neste hiato todo a família Bussamra jamais procurou Cissa Guimarães...

Nunca...

Mas, deveriam, seria um gesto honroso e humano...

Não resolveria nada, mas seria bacana mostrarem presença e solidariedade com a  mãe de Rafael Mascarenhas...

Como não o fizeram, resta a Justiça mostrar sua presença e amainar a dor da perda do jovem Rafael Mascarenhas...

A Justiça tem sido colocada na berlinda diversas vezes como representante da sociedade e nos frustra...

Invariavelmente investigações da Polícia enquadram corretamente todos delitos recentes ecoados pela mídia para logo após Judiciário  excluir-se de  contemplar indiciados com penalização exemplar...

 Rafael Mascarenhas  não foi vítima apenas de um pontual acidente de trânsito...

Qualquer cidadão  que prepara um automóvel para racha e ultrapassa placas indicativas de interrupção de trânsito não pode ter privilégios que o isente de punição e se vanglorie do feito tal seus heróis cinematográficos imbecis de velozes e furiosos ...

 O Túnel Acústico ganhou homenagem com seu nome e flores são trocadas para que ninguém esqueça o que aconteceu com o filho de Cissa Guimarães...

Não basta...

Apenas e tão somente uma pena de reclusão em alguma Bangu 8 da vida haverá de interceptar novas tragédias covardes...

Nem necessário dois anos, três, quatro, cinco anos...

Apenas seis meses em Gericinó para reflexão; cabelo tosado e camiseta verde da Seap,  basta...

Os dois primeiros meses de cadeia são o caos com medo de tudo em volta e os ratos das galerias passeando ao lado da quentinha marmitex...

Depois, cada um vai se adaptando enquanto conta dias na folhinha até ser solto...

Para nunca mais Rafael Bussamra esquecer-se do sofrimento  perpétuo que levou todos parentes e amigos da vítima Rafael Mascarenhas...

Juiz Murilo Kieling é a única pessoa que pode promover uma revolução de costumes que nos induz acreditar que somente ferrados são severamente  penalizados com o braço pesado da Lei...

Aguardemos!



Jorge Schweitzer